Encontre seu profissional

Conheça os tipos de Depressão

5 de outubro de 2018
Tipos de depressão

O sintoma de tristeza constante, profundo e ininterrupto é um dos principais sinais, mas quando se trata de depressão, existem vários subtipos, que passam por graus leves, moderados e graves, e que é importante conhecer e tratar. Confira:

Depressão pós-parto

Considerada um tipo específico, que costuma ocorrer após o parto ou até um anos após o nascimento do bebê, devido principalmente à queda dos níveis hormonais.

É claro que se sentir triste, desanimada e com baixa autoestima, já que a mãe também precisa se adaptar às novas mudanças em sua vida e concilia-las com as necessidades do recém-nascido.

Além dos sintomas mencionados, outros fatores são necessários para que se cogite uma depressão pós-parto, são eles: pouco interesse pelo bebê, falta de apetite, dificuldades de pegar no sono, incapacidade para cuidar de si mesma, desânimo e cansaço extremos, medo de ficar sozinha, entre outros.

Tratamento

Se os sintomas se mantiverem por mais de duas semanas ininterruptos procure a ajuda de um psicólogo ou psiquiatra.

 

Transtorno depressivo maior

Considerado um quadro depressivo recorrente (com mais de seis meses), que pode ser diagnosticado mais tardiamente na vida da pessoa, a partir dos 30 anos. Geralmente tem relação com a parte genética da pessoa.
Isso se deve ao fato de que há uma mudança química no funcionamento do cérebro, desencadeada por uma causa física ou emocional. Os sintomas mais comuns são a apatia, falta de vontade de viver, falta de bom humor.

Tratamento

Neste caso, é recomendado a ajuda de um psicólogo com a utilização de medicamentos específicos, combinado com a psicoterapia, que utiliza a música como auxiliar ao método.

 

Depressão bipolar

Aparece como um tipo de depressão, mesmo sendo considerando como transtorno, devido a pessoa ter condições que encaixam na depressão. É a alternância de momentos depressivos com períodos de extrema euforia e alegria intensa, chamada de forma mais leve, chamado de “hipomania”. Acontece sem uma causa ou motivo aparente.
Os sintomas são facilmente visíveis e as causas podem ser de razão genética, estrutural ou cerebral.

Tratamento

Neste caso, o tratamento é feito com a ajuda de psicólogos e psiquiatras combinados com estabilizadores de humor, antidepressivos, antipsicóticos e em casos extremos, tranquilizantes.

 

Distimia

É a forma crônica da depressão, mas com menos gravidade. A pessoa costuma ficar predominantemente triste, desanimada, pessimista e sem vontade de agir. Apresenta quadro de falta de concentração e energia para fazer suas atividades.

A distimia atinge entre cinco a 11 milhões de pessoas, de acordo com a Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos (ABRATA). Os sintomas duram mais de dois anos, o que caracteriza a situação.

Tratamento

Como é uma forma crônica, ao sinal de que os sintomas estão mais frequentes, com crises constantes de distimia, é necessário o apoio de um psicólogo ou psiquiatra.

 

Depressão Psicótica

Este tipo tem relação com a psicose, quando a pessoa perde o contato com a realidade e começa ater manifestações incomuns, desligadas da realidade, como alucinações, delírios ou situações em que o indivíduo não consegue controlar por si próprio.

Os sintomas mais comuns são a tristeza, desânimo, sem esperança e fortes alterações de humor. Pode incluir a queda ou aumento da massa corporal, insônia ou hipersônia, movimentos comprometidos, fadiga e perda de energia.

Tratamento

Na fase psicótica, o tratamento é a base da associação de medicação antidepressiva e psicótica. Usa-se a eletroconvulsoterapia, método em que a corrente elétrica é aplicada no cérebro durante alguns segundos.

 

Estes são os tipos mais conhecidos de depressão que as pessoas podem manifestar. Sempre procure um médico especialista para analisar o seu caso e tenha uma vida normal, sem deixar que a depressão tire a sua alegria de viver. Encontre um profissional com a ajuda da IMPI (Instituto de Medicina e Psicologia Integradas).

Fontes: Tua Saúde, Minha Vida e Minuto Saudável.

Postado em Blog